Língua materna X Língua criativa

“Falo inglês desde criança e morei um bom tempo nos Estados Unidos. Foi uma professora de literatura americana quem me percebeu como escritor pela primeira vez, então escrever ficção em inglês acabou se tornando instintivo a partir dali. Como Espírito Perdido se passa na Idade da Pedra, não é uma história que se aproxima mais de uma nacionalidade ou de outra; é uma história sobre seres humanos. Além disso, a ideia de atingir um número maior de leitores com o inglês me pareceu um ponto positivo. Hoje em dia moro no Brasil e tenho minha vida aqui, então acho importante que assim que o livro chegue nas prateleiras mundo afora, uma versão em português também esteja disponível por aqui.” — P. J. Maia